Nossas Histórias

ESSE BLOG É PARA CONTARMOS AS NOSSAS HISTÓRIAS, MOSTRAR A NOSSA LUTA E A NOSSA VITÓRIA...

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

DEPOIMENTO DA ADOLESCENTE O.Y

Tudo começou quando eu tinha 4 anos. O primeiro abuso(consumado), por
um amigos dos meus pais. Que durou por 3 anos. E dentro desses 3 anos,
sofri abuso por outro amigo dos meus pais (não foi consumado). Sofri
abuso (consumado) Pelo marido da babá que eu tinha na época. Depois
que mudamos de casa, parou por algum tempo, mas certo dia, em um
clube, na piscina, o pai de uma garota que eu brincava no dia, abusou
de mim. E quando vim para o Rio de Janeiro, sofri abusos (consumados)
pelo meu primo dos 10 anos aos 15 anos. Hoje, tenho 16 anos, Tenho
Transtorno de Personalidade Boderline, era viciada em sexo, álcool e
cigarro. Já tentei me matar muitas vezes... Tenho muitos medos, muitas
dúvidas, dores... Sou uma sobrevivente do abuso sexual/ estupro, sou
filha de Deus, mas também Filha do Silêncio, pois até hoje, nunca
contei nada para minha família.

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

ALEXANDRA

O padrasto de Alexandra abusava sexualmente dela desde que a menina tinha 7 anos. Para lidar com assédios sexuais noturnos, Alexandra tentou negar o que lhe estava acontecendo pensando em coisas boas e desejando que o abuso acabasse logo. Quando Alexandra foi para uma nova escola, uma garota começou a espalhar boatos de que ela e o padrasto faziam sexo. Alexandra ficou aterrorizada. Ela não conseguia entender como a garota havia descoberto. Quando foi chamada pelo diretor da escola, ela se sentia constrangida e amedrontada demais para revelar a verdade. Negou os boatos e assegurou ao diretor que o padrasto nunca faria algo tão reprovável. Mesmo quando teve a oportunidade para revelar o abuso sexual, o medo das consequências de admitir a verdade pesou mais do que a oportunidade de acabar com assédio sexual - um fato que sempre esteve presente na consciência de Alexandra.


ABUSO SEXUAL EM CRIANÇAS
CHRISTIANE SANDERSON

CARLOS

Carlos tinha sido abusado sexualmente pelo irmão mais velho dos 8 aos 12 anos. Sabia que se tratava de abuso sexual. Aos 12 anos, Carlos conheceu um homem mais velho que lhe ofereceu dinheiro para acompanhá-lo até seu quarto de hotel. Carlos concordou. Depois de tê-lo violentado brutalmente, o homem se mostrou muito amável, abraçando e afagando o menino e dando-lhe bastante atenção. Carlos adorou esse aspecto do encontro e sentiu que isso, mais que o dinheiro, fora sua recompensa por ter deixado o homem violentá-lo. Esse foi o início da carreira de Carlos como garoto de programa e prostituto. Durante os 25 aos como profissional do sexo, seu estímulo foi mais o afeto do que o dinheiro que recebia.
Além disso, a violência que acompanhou o primeiro contato sexual por dinheiro ficou misturada como amor e o afeto que recebia depois. Isso significava que o Carlos poderia sempre participar de atividades sexuais de extremo sadomasoquismo, em que apanhava muito, era chicoteado e violentado antes de ser abraçado e conseguir ter orgasmos. Quando começou a terapia, Carlos estava certo de que sua primeira experiência como garoto de programa não tinha sido um caso de abuso sexual em crianças, porque ele consentira em trocar sexo violento por afeto.


ABUSO SEXUAL EM CRIANÇAS
CHRISTIANE SANDERSON